Divulgação O Tambor
Disfarce
Engane um animal
ver todas
Abajur público
Espera quem só fica esperando
Faça um mapa da sua rotina
ver todas
Noala Guerra
Likalynn
cisso_lucas
ver todos



UH
Universidade Humanidade, desde 2007 discutindo a relação.

Esse grupo questiona antes de engolir.
Raças, etnias, nacionalidades, crentes, deficientes, pessoas de óculos e sem, ateus, gordos, loucos, magros, médios, tortos, altos, baixos, caretas, modernos e ultrapassados — a defesa dos direitos humanos e o respeito à diferença é o que move a Universidade Humanidade.
Queremos cutucar as pessoas, apontar injustiças, mostrar novos jeitos de se relacionar e olhar o outro. O que é inclusão social? Educação? Lazer? Gestão? Afinal. O que quer a humanidade?


ctrlT
Controladores de Trânsito

Nós não estamos ocupados em distinguir virtual e real. Interessa-nos o trânsito de informações e suas conseqüências. Procuramos alterar trajetos e apontar para caminhos na contramão. Aceitamos o que soma, ensina, agrada, indaga e deletamos o que emburrece e aliena. Queremos mais informação como expressão de arte, opinião, liberdade, verdade e menos informação que manipula, pasteuriza e destrói.


Delinquatessen
Isso não é um grupo do Tambor

Representar o mundo. Criar soluções estéticas para emoções e culturas. Preocupa-se com formas, cores, harmonia e equilíbrio. Subverter a arte que já existe. Inventar uma nova. Conhecer arte. Buscar técnicas e procedimentos. Pintar de outra cor o que existe. Existir num papel, num jpeg, num traço. Não existir. Olhar. Ver. Refletir. Aplicar a arte à vida cotidiana. Divertir-se. Fazer bolas e listras. Fazer. Combinar. Juntar. Dissolver. Senhoras e senhores, bem vindos ao Delinquatessen.


BoaVida
Boa Vida, dá um jeito e faz melhor


Nós olhamos o mundo à nossa volta e achamos que sempre tem um jeito de fazer melhor. Melhor pra todo mundo. Plantamos o pensamento aberto, universal, benéfico, natural, não-nocivo, não-poluente, não-insalubre. Por uma cidade mais elegante, uma natureza mais aliviada, uma chuva mais bebível, um ar menos cinza-ratinho e pessoas mais civilizadas. Somos capazes de enxergar da perspectiva de uma planta e cheirar através de focinhos. Jamais maltrataríamos um ser vivo, atiraríamos lixo pra fora da janela ou quebraríamos um orelhão. Preferimos o verde ao cinza e o genuíno ao adulterado.


www.otambor.com - 2007 - uma iniciativa OHP